domingo, 2 de novembro de 2008

Esvaziar a Sentença

Ontem, a cair de sono, agravado este pela monotonia de um televisionado jogo leonino pouco colaborante, faço um pequeno zapping e oiço uma auto-intitulada empresária, presente no certame comercial publicamente recomendado que é Salão Erótico louvar a afluência feminina, dizendo que, hoje em dia, se compenetraram de que são mulheres sexuais, não só esposas e mães.
Bem, eu até percebo o que ela quer dizer, mas a formulação deixa um tanto a desejar, pois parece implicar a peregrina ideia de que o sexo estaria ausente desses dois magnos estatutos. No primeiro caso seria fazer tábua rasa do débito conjugal. No segundo, recuar ainda além da década de Cinquenta do Século XX, em que a publicação de escrito de Malinowski nos dava notícia de um derradeiro povo que, na Polinésia, não associava o acto sexual à gravidez.
Além de que a sentença, assim despida de um redentor "também", ou de divisória que explicite ser apenas uma das dimensões, pode fazer os mais incautos caírem num conceito algo murcho e reificado do que a Mulher seja:

16 comentários:

Pedro Barbosa Pinto disse...

Isto torna a vida do homem ciumento num inferno maior do que já deveria ser!
Até agora entrava em casa de surpresa e passava revista aos armários à procura do suposto amante da mulher. Agora vai ter também que procurar nas gavetas.

ariel disse...

Querido Paulo, por alguma razão o bisonho Gauguin se auto exilou na Polinésia...:)consta que as polinéisas eram muito dadas ao recreio.:)

Irene disse...

A declaração, de facto, deixa muito a desejar. Estamos no século XXI e só agora as mulheres se «compenetraram» de que são seres sexuais?! É caso para perguntar,o que andaram a fazer estes anos todos para trás! Aliás, a literatura atesta que desde sempre as mulheres tiveram essa consciência, embora mais, ou menos, formatadas por valores religiosos e sociais que as empurravam para a discrição.

Luísa disse...

Folgo em saber, Paulo, que há «empresárias» valorosas que se batem denodadamente por arrancar o mulherio triste ao espartilho da moral vitoriana. Mesmo se a iniciativa arranca com um século de atraso. ;-)

LADY-BIRD, ANTITABÁGIKA, FÃ DO JOMI LOL E JÁ AGORA DO NOSSO AMIGO ANTI-TECNOLOGIAS: MARCHANTE (se não existisse tinham que o inventar) disse...

Lá está, caro Paulo, ela que fique lá como "empresária" (e vai-se lá saber que tipo de empresa ela tem), porque como mãe e esposa deve ser um verdadeiro desastre...

Beijinho

ps:o jogo apesar de entediante, caro Paulo, serviu para o meu Sporting ganhou (não me leve a mal, mas adoro "picar" benfiquistas, não fosse o meu pai um benfiquista doente, e a minha mãe uma adepta fervorosa do Sporting).

LADY-BIRD, ANTITABÁGIKA, FÃ DO JOMI LOL E JÁ AGORA DO NOSSO AMIGO ANTI-TECNOLOGIAS: MARCHANTE (se não existisse tinham que o inventar) disse...

errata: onde está "ganhou" leia-se "ganhar"

zazie disse...

Como era isso na Polinésia?

ahahaha

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Não sei porquê, este discurso fez-me lembrar aquele tipo do PNR que favorecia a imigração ilegal e "geria" uma rede de prostituição.
Será que ela já se esqueceu do deputado de Viseu e da respsta da Natália com o poema do "truca-truca"?

Paulo Cunha Porto disse...

Meu Caro Pedro Barbosa Pinto,
está o Amigo a ver? E, na mesma linha, outra perda de qualidade de vida - a Mulher deste Futuro só será de perder o fôlego num sentido um tanto mais prosaico...
o de encher!

Querida Ariel,
Ah, pois, os revoltados da Bounty fartaram-se de sofrer os vexames do Comandante, mas só passaram a vias de facto por aquelas paragens. Julga que não equacionaram isso mesmo? Veja como foram encontrados, em alegre intercâmbio continental, muitos deles...

Querida Irene,
claro, das duas uma, ou a comerciante questionada nunca leu livro que se veja, ou a concepção de sexo dela estará limitada à aquisição de produtos expostos naquela feira. Pensando melhor, das duas, duas!

Querida Luísa,
não na cabeça dessa força viva da Nação. Para ela, certamente, a consciencialização só pode ter tido lugar após a abertura ao público desta mostra mercantil. Para trás era o deserto.

Querida Lady-Bird,
nem tinha focado esse aspecto, mas reparou no "apenas" com que ela se referiu aos estatutos supostamente secundarizados? Naquela cabecinha o Seu belo comentário até vai vingar como um elogio...
Resposta ao PS- pois se até o golo foi uma oferta pouco animadora...

Querida Zazie,
segundo o relato, elas gostavam e faziam-no. Mas, aparentemente, a gravidez era um capricho dos Deuses, ou um aleatório sucesso do tipo euromilhões...

Meu Caro Carlos Barbosa de Oliveira,
Ah! Esse momento parlamentar da minha teenagerice! Aqui, a terminologia "Mulheres sexuais", com a contraposição empreendida, criou-me dificuldades hermenêuticas de cortar a respiração. Será que ela leu muitos alertas sociológicos para oa casos de matrimónios em que o sexo acabou?
Beijinhos e abraços

Gi disse...

As esposas e mães são supostas fazerem amor, acto que caiu em desuso.
Mulheres sexuais é ... outra coisa!

mike disse...

Gostaria que essa auto-intitulada empresária definisse mulher sexual. Curiosidade apenas, para ver se me enquadro no esteriotipo homem sexual, ex-esposo e pai. Que gentinha, hein?
Abraço.

Paulo Cunha Porto disse...

Só no Romantismo, Querida Gi, a Sociedade Ocidental considerava muitas outras fontes a celebração do Matrimónio, mas o sexo estava presente como um dos deveres do contrato.

Meu Caro Mike,
ehehehehe, uma coisa a que me venho dedicando é pensar qual será o antónimo de Mulher Sexual. Mulher Assexual? Ainda se poderia pensar em Mulher Assexuada, mas parece-me exprimir outra realidade...
Beijinhos e abraço

ana v. disse...

E ainda dizem que os portugueses são pouco produtivos? Aí está um belo exemplo da iniciativa privada, uma empresária de alto nível, informada, dinâmica e criativa, que alia ao negócio o espírito de missão... ;-)

Paulo Cunha Porto disse...

Tudo desiteressadamente, claro, Querida Ana!
Beijinho

JúliaML disse...

:-)

Paulo Cunha Porto disse...

Belo, Querida Júlia!
Bj.