sexta-feira, 21 de novembro de 2008

Sob a Cinza do Assédio

Depois do nu do postal anterior, tentei redimir-me, procurando uma temática mais vestida, que não fosse a preto e branco. Mas fui dar a uma realidade Cinzenta, embrulhada em alvuras: Imogen Gray
Felizmente ela sossegou-me, mostrou ter outras peças para estender, o que evitará que se estenda ao comprido a triste peça que sou.

13 comentários:

Margarida Pereira disse...

Paulo, essa capacidade para (me)desconcertar é imorredoira.
Mai'la certeza que tenho, de olhos cerrados e coração alado, de que é um majestoso 'Mary Poppins'.
Seria uma das personagens absolutamente imprescindíveis numa ilha deserta.
Fortuna tê-lo encontrado.
Privilégio ter-se condoído.

Beijinhos mil.

Paulo Cunha Porto disse...

Huuuum, quer dizer que as nossas almas passaram de um postal para outro a ser um poucochinhom menos gémeas? Heterozigóticas, talvez?
Beijinho, Querida Margarida

Mike disse...

Ah, caro Paulo, não Te acanhes meu Amigo. Nem Te forces a evitar estenderes-te ao comprido. Eu não o faria. Que bela peça me saiu esta Gray que de cinzenta não tem nada e torna esta sexta-feira bem colorida.
Abraço.

Margarida Pereira disse...

Não. Quer dizer que além do que comungamos existe essa preciosa capacidade criativa, multidisciplinar, digamos; essa vertente prismática que supera a base mineral da clara definição e aterra num cosmos de possibilidades infinitas.
Cada 'post' uma surpresa, cada intervenção uma oportunidade. Para se aprender. Para se ficar mais feliz.
Eu fico.

Paulo Cunha Porto disse...

Meu Caro Mike,
estive para intitular o post «Anatomia de Gray», mas temi passar por gabarolas...

Querida Margarida,
pronto, agora é que me sinto todo envaideciddo. Mas é o que todos tentamos fazer, abrir novas perspectivas, ou não?
Beijinho e abraço

Mialgia de Esforço disse...

Se dúvidas havia, a crise é mesmo profunda e está para durar. É a degradação da condição humana: a pobre da pequena a ter de recorrer à imaginação e, a partir de uma modesta cama de rede, confeccionar uma esforçada indumentária para cobrir as carnes!

E a casa? Um buraco em ruínas! Ó-Sra.-Vereadora-da-Habitação-Que-Tem-Casa-de-Renda-Bonificada-da-CML-Há-Vinte-Anos ponha os olhos nisto! Para quando a recuperação das casas degradadas?

Abraço.

Pedro Barbosa Pinto disse...

Algo me diz que não é moça para ficar a lavar roupa para fora durante muito mais tempo.

fugidia disse...

HUMPFRT!

ana v. disse...

Só nos faltava esta aldeia da roupa branca de faz-de-conta, à sexta-feira, aqui no Muro! A menina tem nome de antibiótico, ainda por cima...

JúliaML disse...

bem, Querido Paulo, pelo menos não precisa que lhe escolham as fotos das sextas ;-)

mas essa parece que vai salvar a derrocada da casa da foto e o seu reclame.

beijinho

Luísa disse...

...... (silêncio quase resignado) ......

ariel disse...

Querido Paulo, as suas capacidades de selecção continuam intocáveis....

Paulo Cunha Porto disse...

Meu Caro Mialgia,
sabe o que me fez lembrar aquela ligaçãozinha entre as partes superior e inferior da vestimenta? a maqueta da TTT, a nova ponte!
E há lá direito de porem na Casa dos Bicos um Sarfano, dito mago, em vez desta predestinada!

Meu Caro Pedro Barbosa Pinto,
concordo, concordo, a roupa é devolvida toda húmida, entre mais razões por ninguém em seu perfeito juízo a poder considerar uma seca!

Olá, D. Fugi,
constato menos ff do que é hábito. A jovem não A assanhou tanto como costumam?

Querida Ana,
mas és mesmo capaz de imaginar que ela contraria alguma forma de vida?

Querida Júlia, não tenho dúvida deque a Mocita seja capaz de manter de pé, indefinidamente os pilares que sustentem o casebre! É para que não digam que sou elitista, ora.

Querida Luísa,
percebo! A melancolia que A assalta perante a contemplação de tarefas domésticas, como, noutro lado, debatemos...

Querida Ariel,
muitíssimo grato, vantagens de não me chamar Carlos Queiroz!
Beijinhos e abraços