quarta-feira, 19 de novembro de 2008

Ratice, Precisa-se!

Para começar hoje com ligação ao que ontem encerrou, devo dizer que me parece bem necessário recorrer a outro método para expulsar esta rataria, já que a Música de hoje em dia pode suscitar muitas reacções, mas não propriamente encantar, que é o que se pretende fazer aos ratos. Mesmo se os seus intérpretes se mostram aptos a continuar a cativar a Miudagem. Também não me agrada a hipótese do veneno, pois, para além do risco de matar bichos inocentes, sabendo-se o quão peçonhenta é a sociedade actual, já deve ter levado os roeores a segregarem anti-corpos. Resta a maneira mecânica, esperando que a vontade da comunidade seja suficientemente forte para suportar tanto corpo de bicharoco apanhado; e que eles não hajam aprendido com a experiência ancestral...

10 comentários:

Nocas Verde disse...

:)
ouvi essa notícia ontem na TSF a caminho de casa depois das aulas... fiquei a pensar se a própria história dos Irmãos não teria sido inspirada em um qualquer acontecimento verídico.
lembrei-me de uma certa praga de roedores (não consigo recordar o nome) que atravessa a Austrália em periodos cíclicos...

Pedro Barbosa Pinto disse...

Hoje as pessoas acreditam mais na publicidade do que em fadas ou em flautas encantadas. Assim, para acabar com a rataria, deixo aqui uma sugestão para uma campanha publicitária:

Primeira cena
Cenário:
Átrio do aeroporto da Madeira, repleto de fãs e jornalistas que aguardam Cristiano Ronaldo.
Acção:
Cristiano Ronaldo assume na porta ‘chegadas’ e os jornalistas precipitam-se de microfone estendido tentando cada um obter a primeira declaração do melhor jogador do mundo. Os berros dos jornalistas sobressaem no ruído ensurdecedor dos fãs: - Cristiano? Para a TSF… Cristiano? Em directo para a SIC… Cristiano? RTP… Qual o segredo para tanto sucesso?
Cristiano Ronaldo limita-se a sorrir simpaticamente, mas quer guardar declarações para mais tarde. Primeiro está a família. Esforça-se por entre os fãs que lhe querem tocar, até alcançar a mãe que o abraça comovida. A polícia ajuda a abrir caminho até ao carro.
O plano fecha no Cristiano a fazer um último aceno à multidão enquanto o carro arranca.

Segunda cena
Cenário:
Sala de jantar em casa de família de Cristiano Ronaldo com toda a família reunida à volta da mesa.
Acção:
Depois de darem graças, Cristiano, apontando para a terrina fumegante no centro da mesa:
- “Que cheirinho, mãezinha! Será que é o que estou a pensar? Fizestes o meu prato preferido? É a única coisa que eu ainda gosto mais do que estar com namoradas. Uma suculenta caldeirada de ratos!”
- “Claro meu rico (literal) filho.” - Responde-lhe a mãe. -“E agora que temos tanto dinheiro, até podia ter comprado uns hamsters na pet shop, mas esta foi feita só com ratos do campo apanhados ao pontapé pelos alunos da tua academia de futebol. Se eles querem ser craques como tu têm que treinar muito como tu fazias.”
O plano fecha no Cristiano a meter na boca um naco de carne enquanto solta um prolongado yummmmm.
No ecrã aparece escrito em letras gordas:
SEJA TAMBÉM VOCÊ UM CAMPEÃO COMO O CRISTIANO RONALDO - CONSUMA CARNE DE RATO.

Com uma campanha destas não tardará que os grupos ecologistas venham exigir à Comissão Europeia que imponha quotas à captura dos roedores no sentido de evitarem a sua extinção.

Patti disse...

Também ouvi a notícia e fiquei com tanta esperança que as histórias de encantar da nossa infância, afinal fossem todas verdade!

Será mesmo que ele
aparece mesmo?

Paulo Cunha Porto disse...

Querida Nocas,
ehehehe, e se a Austrália viveu problemas grandes de hiperpopulação, por uma deficiente previsão da natalidade dos coelhos lá introduzidos!

Meu Caro Pedro Barbosa Pinto,
Ahahahaha, como de costume as sugestões são deliciosíssimas (ooops, que raio de qualificação, no contexto das mesmas).
Claro que ainda há uma outra hipótese: declara-se a cidade abrigo do nosso PS. Mal o partido do Sr. Sócrates entre em crise, está a coisa resolvida, os ratos são sempre os primeiros a abandonar o barco, não é?

Querida Patti,
mas temo que seja mais provável sob a forma de baterista. O que até poderia ter o condão de pôr a rataria a... abanar o capacete.
Beijinhos e abraços

Mialgia de Esforço disse...

Meu Caro Paulo,

Fica desde já lavrado o meu mais veemente protesto em relação à sua apreciação da música actual. Um destes dias vamos ter que aprofundar o tema. Para já, recomendo-lhe que deixe de sintonizar a MTV e quejandos :-)


Quanto à rataria, como muito bem refere, isto com veneno já não vai lá. Tem que ser um veneno muito mais forte. Sugeria a exportação do Grande Timoneiro, acompanhado do seu habitual séquito ministerial dos grandes eventos, munido do indispensável Magalhães. A táctica a utilizar seria a mesma usada recentemente numas escolas. A do chamariz. Dá-se o zingarelho a cheirar por uns minutos e depois, zás, retira-se às crianças (neste caso, aos ratos). Uma acção destas com sucesso faria maravilhas pelas exportações tugas.

Abraço.

Luísa disse...

A sua ideia de exportar para Hamelin o pessoal da nossa governação parece-me brilhantíssima, Paulo: livra-os a eles dos seus ratos (os primeiros a abandonar o barco) e livra-nos a nós das nossas ratazanas. Mas julgo que Hamelin não vai alinhar. Contas feitas, antes uns ratitos inofensivos… que, se forem amorosos como esse da fotografia ao lado, poderão, inclusivamente, contar com a minha militância na defesa dos seus direitos de animais. ;-)

Pedro Barbosa Pinto disse...

Olhe que não, caro Paulo.
Os ratos que o meu amigo vê agora no barco do Sr. Sócrates são os mesmos que antes via no barco do Sr. Barroso que por sua vez saltaram do barco do Sr. Guterres.
Estão é muito mais gordos e por isso não os estará a reconhecer.
Estes ratos sabem nadar YÔ.
Um dia destes vamos vê-los no barco da Sr.ª Manuela, caso ela pare de abrir rombos no casco, mas ainda que não seja no dela será no do Sr. Meneses ou do menino Passos Coelho.
Como muito bem disse a Sr.ª PSD, embora tenha sido mal entendida, desde que com a dita_dura, o português não quer cá saber de politicas.
Um abraço,

cristina ribeiro disse...

Limito-me a subscrever o comentário da Luísa- what else?

ariel disse...

Querido Paulo, é caso para dizer que o criminoso volta sempre ao local do crime..:)e quem diria,logo na grande Alemanhã, tão ciosa da limpeza das suas urbes....

Beijinho

Paulo Cunha Porto disse...

Meu Caro Mialgia,
expliquei-me mal, longe de mim rejeitar a música actual! Apenas acho que não procura despertar o enlevo, apela a outras adesões.
Deliciosa a Sua política de equilíbrio político-comercial!

Querida Luísa,
pois é, bem diferentes dos ratões a que nos habituámos. E estes não iam lá com flautas, habituados a dar música estão eles!

Meu Caro Pedro,
tem razão, tem razão! Mas há sinais de esperança! De tanto comerem, podem rebentar, como a rã que queria ser boi, lembra-Se?

Querida Cristina,
darem Ambas o passinho para o tradicionalismo, não se está mesmo a ver?

Querida Ariel,
serão ratos mutantes?
Mas é bom, para abaixar certas cristas. E embora o panorama lá não seja tão carregado como por aqui, por uma certa dureza ética, classes políticas de partidos não fazem bem quem quer que seja.
Beijinhos e abraço