quarta-feira, 5 de novembro de 2008

O Vencido

Apesar do grande respeito que tenho por Obama, bem no fundo, talvez ainda preferisse McCain. O passado de Herói da Guerra, e Grande Deficiente dela resultante é para mim mais essencial do que parece ser para os eleitores de um País que honra os seus feridos como já nenhum outro faz, mesmo considerando a dignidade britânica e a vinculação à herança Napoleónica que, nesse aspecto, sobrevive em França. Mas, se os Americanos incensam os seus Veteranos, exprimem um recorrente mal-estar em guindá-los à Presidência. Foi assim com Dole, voltou a sê-o agora, com os movimentos tolhidos pelas feridas de guerra a serem uma emblemática pouco caridosa das limitações que os votos lhes imponham. Não creio que qualquer outro Republicano no activo pudesse ter dado tanta luta como o Senador do Arizona, cuja heterodoxia parlamentar aumenta a estatura política. Mas os tempos não estavam para velhos e aleijados, ainda que mais corajosos nas posições ou gloriosos nas motivações dos entraves físicos. Face à incerteza angustiante das instituições económico-sociais, a maioria volta-se para o poder afirmativo do incerto que só uma imagem jovem e um discurso vigoroso dão.
Tiveram-no.

26 comentários:

Patti disse...

O vencido, deixou-nos a todos um discurso de como se perde com diginidade o cargo de presidente do mundo actual.

Paulo Cunha Porto disse...

Querda Patti,
ele é da matéria que não engana.
Beijinho

Mialgia de Esforço disse...

Estou de acordo com a Patti. Achei-o sincero e muito digno na hora da derrota.

cristina ribeiro disse...

Pelo que tenho lido sobre McCain, ele surge como um homem bom, sensato e moderado; quanto a mim, ter-se-á prejudicado com a escolha da ultra-radical, e até irresponsável, Pallin.

filomeno2006 disse...

En las antípodas de la reacción del candidato izquierdista mejicano López Obrador.
Ab.

ana v. disse...

Mais uma vez concordo contigo em que McCain foi um digníssimo derrotado e em que a inenarrável Palin contribuiu bastante para essa derrota. O que parecia um trunfo transformou-se num handicap, ainda mais impeditivo do que as suas limitações de guerra...
E também concordo que será preciso um pulso firme e muito vigor jovem para enfrentar o que espera o presidente dos EUA. Também nesse sentido, aposto mais em Obama.

Margarida Pereira disse...

Somos todos uns românticos, essa é que é essa...
Não é o novo que é o verdadeiro sonhador.
Somos nós.

Paulo Cunha Porto disse...

Meu Caro Mialgia,
há uma certa tradição de graça, no reconhecmento das derrotas, que vai muito além da Europeia. Por isso Gore ficou com muitas hipóteses de carreira cortadas, ao ser dado coo mau perdedor. Mas McCain esteve acima, concordo inteiramente.

Querida Cristina,
atenção que a Palin tem governado ao Centro, no Alaska. Eu não acredito que alguém vote ou deixe de votar por causa das segundas figuras, o que conta é o primeiro do ticket. Mas é importante a escolha para avaliar quem a faz. No caso, era clara tentativa de se enfeitar com algum ocupante de cargos de relevo sem ligações à Administração cessante e promotor de uma onda, como é o combate anti-corrupção que é a imagem de marca da Sarah.
O que arrumou com a campanha deste Big Mac foi a crise financeira, que pede regulação e supervisões exaustivas, contrárias a posições mais "deixa andar" do Liberalismo mais teimoso.

È verdade, Meu Caro Filomeno, ou do próprio Gore, chamado de sore looser dentro do próprio partido, como lembrei acima.

Querida Ana,
como disse à Cristina, não me parece que tenha tido tanta influência qualquer das escolhas de vices. Vamos ver se a energia é bem canalizada, está tudo em aberto.
Beijinhos e abraço

Paulo Cunha Porto disse...

Querida Margarida,
mesmo um pseudo-analista tão cheio de cautelas como este Seu admirador?!
Beijinho

Margarida Pereira disse...

"Estou quase a assinar o novo testamento!" disse a expectante Miss Moneypenny ao distraído comandante Bond...

Marie Tourvel disse...

E o povo americano me decepcionou... :(

Beijo

mike disse...

Uma vitória anunciada, caro Paulo. Nada a dizer e tudo a esperar. Até da minha parte que votaria Obama, se lá votasse.
Abraço.

Gi disse...

O problema deste Senhor é ser do mesmo partido de Bush.
O problema deste senhor foi a ajudante-de-campo que o Partido escolheu.
Como digo no meu post de hoje sobre as eleições: este SENHOR teve um discurso de derrota completamente impensável de se ver cá na Lusitânia.
Tivesse este Senhor aparecido mais cedo ...

Paulo Cunha Porto disse...

Querida Margarida,
força, responde o agente 007. Estudando os dois casos de uma vez, a resposta pode ser mais completa. Mas distraído é que ele não é...

Querida Marie,
não criemos nós os ressentimentos que não existem nos mais directos interessados, Seu Diabinho! Vamos ver o que dá. Creio é que os primeiros desiludidos serão os adeptos europeus, mas será um banho que lhes provará que não contam.

Meu Caro Mike,
contra McCain, imaginando que era americano, o que me custa, não o faria. Se tivesse sido contra Romney, por exemplo, era de caras.

Querida Gi,
ele era conhecido e estimado há muitos anos. Apesar de o caudal obamiano ter vindo a tomar forma, consistentemente, ao longo dos meses, penso que a crise e as respostas foram o que o fez descolar. As sondagens corroboram-no, mas, desconfiando delas, baseio-me na minha própria percepção.
Beijinhos e abraço

cristina ribeiro disse...

D'acordo Paulo: já tinha chegado à conclusão que teve contra ele o momento de crise, mas convenhamos que o discurso dela terá assustado...

Luísa disse...

Estou inteiramente de acordo, Paulo. O voto dos indecisos foi decidido pela maior elegância, juventude e empatia da imagem, muito mais do que por uma ideologia ou por referências de serviço. Vamos esperar que o incerto venha a revelar-se uma agradável surpresa.
P.S.: Quanto à Palin – e embora reconheça não ter acompanhado o processo com grande atenção - pareceu-me sempre igual a si própria: entusiástica, energética, afirmativa, americana e ligeiramente excitada com a situação. Mas com indiscutível mérito, ou não seria governadora do Alasca. Reconheço-lhe, no entanto, o terrível «handicap» – não tenho dúvidas de que foi o que, em última instância, a condenou – de ser uma mulher bonita, de uma beleza muito doméstica e pouco ou nada intelectual, e de ter sido «miss»-qualquer-coisa.

Paulo Cunha Porto disse...

Querida Cristina,
não sei, ninguém ouve os vices, por lá, salvo os mais militantes. E a esses, se calhar, até agradou.

Congenialidade, Luísa, Miss Congenialidade; e, infelizmente para a própria, como já disse, não com genialidade. Entretanto, os adeptos dela devem estar furiosos por o processo legislativo que concluiu pela total absolvição das acusações de abuso de poder no caso do cunhado violento só ter sido tornado público no próprio dia da eleição...
Beijinho

JúliaML disse...

saber perder é uma virtude e ele teve muita classe.
Paulo...mas eu votaria no Vencedor,voilà

ariel disse...

Querido Paulo, o discurso de derrota de McCain foi o discuro de um gentlemean e do Senador que ele é, e que apaga por essa via a campanha de roupa suja e colateral que o GOP, com ou sem a sua conivência levaram a cabo...Viva o Senador McCain, mas fico contente que tenha perdido.

Paulo Cunha Porto disse...

Querida Júlia, contra McCain não. Mas se Romney tem ganho a primária, também estaria por Obama.

Querida Ariel,
as campanhas nos EUA são individuais, os partidos não as controlam, a ligação mais próxima encontra-se na disponibilização de fundos.
Espero sinceramente que nunca Se venha a arrepender desse contentamento.
Beijinhos

tsantos disse...

Coitado do Obama...As expectativas que gerou (ou que deixou gerar?) são tão elevadas, que a queda pode ser grande...espero que não, mas receio que sim!

T

PS: "Mas, se os Americanos incensam os seus Veteranos, exprimem um recorrente mal-estar em guindá-los à Presidência. Foi assim com Dole, voltou a sê-lo agora,(...)"

Nesse aspecto, Bush (pai) foi a excepção...

filomeno2006 disse...

Wall Street está bajando un 7%......

Paulo Cunha Porto disse...

E Kennedy, entre outros, Caro T. Mas eu referia-me aos mutilados, ou paralisados parcialmente, como Dole e McCain.
Abraço

Paulo Cunha Porto disse...

Meu Caro Filomeno,
Sabes qual a Lei da Gravidade da Bolsa? "Tudo o que desce tem de subir".
Ab.

tsantos disse...

Ah, bom, não tinha atingido essa "nuance"...

Paulo Cunha Porto disse...

Ehehehehe, Caro TSantos,
nos dias que correm é difícil exergar a comprovação dela...
Mas daqui a uns meses, verás.
Abraço