terça-feira, 16 de dezembro de 2008

Outro Paraquedismo

A menina da foto tem hoje 51 anos e acha que ser, ou ter sido levada ao colo pelo Pai assassinado lhe dá o direito de ser Senadora. Caroline Kennedy fez chegar ao Governador de Nova Iorque uma nota sobranceira, manifestando interesse no cargo, passando alegremente por cima de muitos políticos experientes. É coisa lamentabilíssima. Como se sabe, não gosto de eleições com partidos envolvidos, porque tenho sempre a convicção de que acabarão por revelar-se... partidas. E de mau gosto. Mas para nomear livremente gente sem currículo, só Alguém que não tenha a sua legitimidade dependente de votos e a liberdade tolhida pela coleira de uma facção institucionalizada.
No sistema Norte-Americano até faz sentido que algumas pessoas virgens de exercício de cargos públicos cheguem a eles, os políticos profissionais e carreiristas acabam por cansar. Mas, na lógica do sistema, que sentido fará a opção por alguém que, não se apresentando a votos, só tem as credenciais familiares para ser seleccionada, contra outros?
A América, porque eram jovens, bem-parecidos e baleados, continua a sentir-se em dívida para com esta família, esquecendo-lhes as ligações à Mafia, a Guerra do Vietname e uma quantidade de escândalos de tamanho variável. Porém, será a promoção fora do espírito do regime a melhor forma de quitação?

13 comentários:

ana v. disse...

Ora essa, Paulo, que outras credenciais tem um rei que não as familiares??

Eu não concordo com esse tipo de legitimidade e digo-o abertamente, mas muito me espanta que sejas tu, um monárquico convicto, a criticá-la... afinal de contas, os Kennedy são uma espécie de família real nos EUA...

ariel disse...

Querido Paulo, eu, como sabe, não concordo com estas indigitações, que considero arbitrárias e favorecendo exactamente que tem acesso e privilégios "herdados". Mas se por aquelas bandas é costume, nao será por ser uma Kennedy que eu estarei contra...:)

Beijinho

Paulo Cunha Porto disse...

Ana,
nunca me lês com atenção. Estás antecipadamente respondida no final do primeiro parágrafo.
Uma coisa é Quem não entra em jogatanas de conflitos partidários ou carreiras aceder a um cargo pela Lei, para o que a Família não é tida nem achada. Outra é um político profissional que no partido e fora dele ganhou um poiso em disputa, escolher alguém que não tem currículo para o efeito.
Essa da família real americana é jornalismo sem categoria. A Realeza não pode favores, quando muito concede-os.

Querida Ariel,
é costume - e mais, Lei - em muitos Estados, ocorrendo vaga no Senado a meio de um mandato, conferir ao Governador, ou, em menos casos, à Legislatura, a faculdade de apontar um sucessor até à próxima eleição, ao contrário do que acontece na Câmara Baixa, onde têm de ser eleitos.
Está longe de ser habitual alguém sem qualquer desempenho em cargos políticos de responsabilidade disponibilizar-se arrogantemente de forma tão credível para o preenchimento de um cargo. Se se disse cobras e lagartos da indicação do Dr. Santana, pelo PSD, para suceder ao Dr. Durão, sendo um político experimentadíssimo, não vejo por que carga de água se há-de cantar hossanas a alguém com experiência política nula. Só por ser Kennedy?
Beijinhos

LADY-BIRD, ANTITABÁGIKA, FÃ DO JOMI LOL E JÁ AGORA DO NOSSO AMIGO ANTI-TECNOLOGIAS: MARCHANTE (se não existisse tinham que o inventar) disse...

Oh Paulo,ela que não esteja sossegadita não, que a próxima é ela...mas não é a ser Governadora, é mesmo a ir fazer companhia ao resto do clã...

beijinho

Gi disse...

O link remete-nos para o Sr. pé descalço que, pelos vistos, não fica nada descalço.

Mas ser senadora não é um direito hereditário no clã Kennedy?

Margarida Pereira disse...

http://www.observer.com/2008/politics/whos-going-lick-kennedy

O Paulo sempre à frente do acontecimento...
:))

Patti disse...

Mas é por ser Só uma Kennedy que ela faz isso mesmo.
E se calhar é por ser Só uma Kennedy que o vai conseguir.

ana v. disse...

De qualquer maneira eu preferia o irmão dela... que pena, um "curriculum" tao bom! ;-)

E não me "arrumas" com essa dos favores pedidos e concedidos... toda a história da monarquia se fez de favores e alianças entre casas reais.

Mike disse...

Sabes, Paulo, o clã Kennedy (e faço notar confessadamente uma certa simpatia pelo JFK), sempre teve uma certa mania das grandezas e ares de superioridade, camuflados por sorrisos fotogénicos e fotografias a propósito. Lá está, quem sai aos seus, como é o caso da Caroline...
Abraço.

Safira disse...

OS Kennedy foram sempre muito acarinhados pelo 'povo'. Toda aquela aura de tragédia lhes confere uma simpatia automática. E Caroline é uma espécie de último moicano. Não que esteja a preconizar-lhe a mesma sorte, coitada da moça.
Ahm e não esqueçamos que a menina é 'favorita' de Sir Obama...
Beijinho

Paulo Cunha Porto disse...

Querida Lady Bird,
uma espécie de maldição?
Os mais crédulos pensam que teria sido o duplo assassinato consequência da praga lançada pela viúva do dirigente Sul-Vietnamita Diem. E, de facto, o Tio Ted desta, que não estava no Governo responsável pela morte do político asiático, sobrevive há décadas, no Senado.

Querida Gi,
seria um problema, porque eles estão a espalhar-se: Ted é-o pelo Massachusetts, esta quer sê-lo por Nova Iorque, um primo dela é Representante pelo Rhode Island...
Qualquer dia podem dar os 100 lugares à famelga.

Querida Maggie,
nada de exageros, em cima, ainda vá que não vá...

Querida Ana,
pois mas o desastre de querer conduzir um aeroplano ainda antes do que a Nação...
Diz-me um caso concreto de um Monarca que tenha sido por esses tais favores em vez da Lei, ou da Vitória, para que possa comentar.

Sem dúvida, Meu Caro Mike, até no caso do Governador Schwarzeneger, casado com outra sobrinha do Presidente que aquela família deu...

Ora, agora é que a Maria Safira deu no Vinte - penso que o facto deo Presidente Eleito a ter posto no grupo de prospecção de Vice-Presidenciáveis a escolher terá conferido a uma eventual nomeação sua a possibilidade de agrado ao novo Todo-Poderoso que não é de desprezar.
Beijinhos e abraços

ana v. disse...

Não estou a defender a tese dela, Paulo. Mas, como a rapariga não quer a presidência mas um cargo secundário (no Senado), a comparação que propões está muito desproporcionada. A correcta seria sempre com exemplos de segundas linhas, e aí a lista dos nomes deve ser interminável...

Paulo Cunha Porto disse...

Aníssima Amiga,
posição secundária a de Senador? Um cargo em que até serviram dois ex-Presidentes?
Beijinho