segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

De Saco Cheio

Posted by Picasa

Tenho de dizer que, no affaire Pardon, estou totalmente pelo lado da Carla Bruni, ao pretender encher o saco de euros, para os doar à Caridade. Não só porque o fim é bom, como porque acho que Ela foi alvo de um insulto duplo. Não estaria tão certo, caso a sociedade da Reunião que lhe estampou o nu se tivesse ficado por tal ousadia. Parecer-me-ia, então, que espremer os direitos de imagem não honra qualquer estrela, como a que, por razões várias, a bela Italo-Francesa se tornou.
Todavia, a frase, combinada com o nome da firma, é acintosa, ao ponto de degradar gratuitamente a percepção do matrimónio dela com o Presidente, coisa que merece sanção dura. E, para cúmulo, o dono da empresa que conseguiu esta publicidade de sonho, veio, com uma justificação seráfica, invocar em seu favor outra, em bem mais dúbio sentido, a da Primeira Dama. O que, sob a capa da inocência igualizadora, é evidente jogo de significações ofensivo, como na anedota com barbas paternatalícias, em que um bem intencionado orador saudava o eminente Homem Público e a sua distintíssima esposa, também de todos conhecida como notável mulher pública...

9 comentários:

Margarida Pereira disse...

You're absolutely something else...

ana v. disse...

Uma vergonha, o aproveitamento.
Ela faz muito bem em processá-los, mas a publicidade está feita e o processo só irá aumentá-la. O espertalhão dará por bem empregue cada franco gasto em tribunal. Sinais dos tempos.

Patti disse...

É revoltante, mesmo!

Imaginem agora, se o dono da empresa vivesse no tempo do Rei Sol? Ficava milionário, com tanta dama disponível e com sede de protagonismo a pousar para a sacaria.

Paulo Cunha Porto disse...

Querida Margarida,
"For Your Eyes Only"...

Querida Ana,
essa é a parte que me irrita. Um confiscozito como pena acessória faria um servição. Sem o substrato da marca promovida, o espertalhaço ficaria desasado.

Querida Patti,
estás a imaginar as Damas da Corte todas com peças de toilette em que figurasse a Marquesa de Montespan como veio ao Mundo e uma Missa Negra celebrada sobre ela?
Beijinhos

Patti disse...

Acabei noutro dia de ler "A Alameda do Rei" de Françoise Chandernagor e asseguro-te, que desde a Marquesa de Maintenon à criada que despejava os bacios, todos gostariam de figurar num saquinho destes!

E se estou a imaginar?
Ai não, que não estou, querido Paulo.
Oh p'ra mim em Versailles a vê-las passar!

Mike disse...

Está mal! Muito mal. E como diz a Ana, e bem, depois do mal estar feito, dificilmente a punição é na mesma proporção. Mas devia!
Abraço.

JúliaML disse...

não se pode ser tolerante, há logo quem abuse...
nojento.

beijinho,Paulo!

Gi disse...

Querem ver que tenho que arranjar um saco cheio de maionnaise para o PCP me começar a tratar por tu?

Quanto a este Senhor: arrecadado está o bocado, pois que enquanto o pau foi e veio folgarm as costas.

Paulo Cunha Porto disse...

Querida Patti,
pois, não sei é se a mensagem que acompanha seria tão igualmente apetecida...

Meu Caro Mike,
como Expert bem sabes que quanto mais se mexer, mais o espertalhaço ganha. Mas não fazer nada também é desaconselhável...

Querida Júlia,
por isso dizia o Bernanos que para a tolerância havia casas próprias...

Querida Gi,
não seja por isso, com todo o gosto!
Entretanto, uma maionesezita não era nada mal aparecida, não senhor.
E sim, há que congeminar maneira de eliminar essa folga que lhe deu tanto folguedo.
Beijinhos e abraço