segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

Aparar o (Pre)Conceito

O Amigo Bic Laranja, em achega brilhante ao postal sobre os piercings, ajuntou a honrosa demarcação do espírito do tempo em que o Arq. Saraiva englobou as tatuagens.
Sempre me impressionei com a ideia de que alguém possa querer irreversivelmente vincular o corpo (não estou a falar dessas brincadeiras temporárias). Faz-me espécie ver como o que era coisa de marinhagem em risco de perder a memória das referências de partida, ou de marginais em sede de afirmação, se arrisca a transitar para juventudes mimadas. Porém, também os anéis começaram por designar escravos, antes de Senhores, Reis, Bispos e Papas os adoptarem.
Pode ser que a fascinação de tatuar comece por aparecer como admissível num circunstancialismo apologético:

9 comentários:

Marie Tourvel disse...

Sem tempo para ler todos os posts, já que estou em computador emprestado. Mas com tempo para mandar um beijinho pra você, querido. ;)

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Em temos de tatuagens e piercings também sou retrógrado, meu caro Paulo. Gostei de as ver nos indígenas da Papuásia, mas por aqui dispenso...
Abraço

Mialgia de Esforço disse...

Estou consigo, Caro Paulo, e com o Arq. Saraiva (quem diria?) na questão dos piercings e tatuagens. Quando garoto achava piada e também me impressionava com as Raças Humanas (sim, também coleccionei os cromos), mas nunca pensei cruzar-me diariamente com elas na rua.

Abraço.

ariel disse...

Querido Paulo, o Arqtº Saravaiva, é que é o arquitecto, Deus me livre de polemizar com ele no âmbito da sua reserva exclusiva. Mas comparar a pintura dos clássicos Rembrandt, Velázquez, Rubens ou Zurbarán, com a de Picasso e Matisse, dizendo que se tratam de retrocessos civilizacionais, alto e pára o baile, e quanto às sinfonias de Beethoven, às sonatas de Mozart ou às óperas de Wagner porquê que ele terá de as comparar com batuques, e não faz a comparação com a musica erudita contemporânea? porque não a percebe? porque não gosta dela?
Quanto aos piercings e tatuagens, estamos todos de acordo, isso sim, é uma regressão. Mas parece-me arbitrário meter tudo no mesmo saco.

Um beijinho

fugidia disse...

Bom, com este cabelo, talvez tenha razão o boneco da tatuagem... ;-)

Paulo Cunha Porto disse...

Querida Marie,
e o tempo de recebê-lo é o mais proveitoso para mim. Bom repouso!

Meu Caro Carlos,
sim, noutras civilizações, onde sejam tradicionais, acho muitíssimo bem.
Lembraste-me um cientista/personagem de J. Verne, creio que em «Os Filhos do Capitão Grant», que na Patagónia, tendo ido estudar a zona, viu os indígenas tatuarem-no, dos pés à cabeça.

Caríssimo Mialgia,
não traio grande confidência se Lhe disser que fiquei gelado quando um Moça com quem tive um namorico me deu a saber que seis meses antes de me conhecer usara um desses adornos metálicos... no nariz!

É assim, Querida Ariel,
eu estou muito longe de rejeitar a Música contemporânea (ou a Pintura, diga-se de passagem). Mas concordo que o abuso da percussão apela aos ritmos mais primários, muito mais do que os instrumentos de sopro ou de cordas.
Beijinhos e abraços

Paulo Cunha Porto disse...

Querida Fugi,
é uma desculpa, talvez de péssimo pagador, mas sempre uma desculpa...
Beijinho

LADY-BIRD, ANTITABÁGIKA, FÃ DO JOMI LOL E JÁ AGORA DO NOSSO AMIGO ANTI-TECNOLOGIAS: MARCHANTE (se não existisse tinham que o inventar) disse...

este homem é daqueles que quando vai ao barbeiro diz que vai "aparar a relva"... enfim, há mesmo malcos para tudo...lol

Beijinho

Bic Laranja disse...

Esta tatuagem acho graça. :)
Cumpts.