quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

É o Mayor!

Mas chamar transgender a um sujeito que enfiou umas maminhas e passou a usar roupas femininas não será abusivo? O visado foi eleito novamente edil de Silverton, no Estado Norte-Americano do Oregon, tendo a primeira vez sido quando ainda usava peito e trapos masculinos. Assevera que continua a gostar de Mulheres, que apenas se sente melhor com este novo visual. Falando a sério, parece-me difícil identificar transexualidade com um mero travestismo, sujeito a upgrading, muito embora. Reagindo assim-assim, devo dizer que apesar de tudo me parece mais confiável quem troca de envelopes destes, do que quem o faz de outros, teoricamente mais vinculantes, como de partidos. Tudo pode, aliás, ter sido motivado pelo conselho de algum assessor, que tenha sugerido uma mudança de imagem. Mas se quisermos ser mais chalaceiros, sempre se poderá dizer que o mutante quis mostrar que também ele pode trazer à coisa pública a sensibilidade que normalmente se identifica nas Senhoras. Ou que quis aliciar todos aqueles que elegem os que lhes permitam estar à mama...

19 comentários:

marie tourvel disse...

Homem tem que se vestir de homem. Ponto. E político tem que parar de trocar de partido. Outro ponto.
E eu adoro esse espaço. Exclamação.

Beijinhos

Luísa disse...

É muito estranho, Paulo, ouvir aquela voz grave de homem num corpo de mulher. Mas, como diz, não é uma mudança oportunista, uma vez que não adere, assim parece, à linha politicamente correcta da heterodoxia sexual e apenas reformula o aspecto externo. Oiço dizer que os grandes costureiros andam a tentar introduzir no mercado da moda masculina as saias. Este rapaz talvez seja, portanto, uma dessas alminhas predestinadas a limpar os caminhos do futuro dos escolhos da incompreensão e da resistência humanas. ;-D

JúliaML disse...

Deus nos livre e guarji, querido Paulo. Esse aí parece-me mas um excerto do filme "Aliens".

assim vão os tempos...

beij oe mais beijo

Pedro Barbosa Pinto disse...

Se em Portugal todos os Gouchas saíssem do armário, talvez as mulheres que vão concorrer às próximas eleições autárquicas o fizessem por ambição e mérito das suas competências, e não porque é necessário cumprir as quotas dos partidos.

tsantos disse...

E a propósito das quotas, sempre quero ver como vão os partidos descalçar esta bota...

Rudolfo Moreira disse...

Talvez ganhe acuidade inesperada a expressão brasileira "fazendo género".

Patti disse...

É um trailer de algum filme do Lynch?

Mialgia de Esforço disse...

Patti, bem podia ser do Lynch. Só lá falta o anão! E a namorada da coisinha? A futura Primeira Dama, nem mais!

Caro Paulo, o seu postal está de ir às lágrimas.

Abraço.

Patti disse...

Mialgia:
O anão está lá, só que não se vê.

(Ai que má, que esta foi mesmo à Lynch!)

ariel disse...

Querido Paulo, a mim a unica coisa que me surpreende são o enxerto das maminhas.... será para os tailleurs lhe assentarem melhor? Já agora podia fazer um brushing decente àquele cabelo, tanta coisa com o visual para ficar com aquele ar de rata desgrenhada...:)

Beijinhos

Paulo Cunha Porto disse...

Querida Marie,
e este espaço, como o porteiro dele que sou, adora-A!
Tudo no seu lugar, concordo inteiramente.

Meu Caro TSantos,
a resposta óbvia seria criar outra, para trânsfugas sexuais. Ms lá está, preencherá ele o conceito? Talvez uma especial para andróginos supervenientes...

Meu Caro Rudolfo,
pois no sentido de tipo, não faz o meu.

Querida Patti,
O Mialgia já disse tudo. Com a particularidade de este correr por gosto e cansar... quem vê. Ai, a anãlogia, ai a anãlogia!

Caríssimo Mialgia,
tembém chorei um bocadito, ao inteirar-me deste caso. A primeira dama é inenarrável, lembrou-me a Mulher do Ed Wood Jr. que alinhava em fazer amor com ele adornado de femininíssimas lingeries... Mas aqui carrega-se na nota, claro.

Querida Ariel, a única a única, não posso dizer que seja, talvez se queira mostrar ao eleitorado como um político peitudo, enfim.
Beijinhos e abraços

Mialgia de Esforço disse...

Aparentemente, e a julgar pelo extraordinário filme de Tim Burton, a mulher do Ed Wood era bem mais apresentável. O fulano era tão mau, mas tão mau realizador, mas ao mesmo tempo tão convicto do que estava a fazer, que, cada vez que revejo a fita, me comovo e muito.

Depp e Landau estão insuperáveis!

Abraço.

Paulo Cunha Porto disse...

Também gostei da fita do Burton, Caro Mialgia. Mas quando penso na obra do desajeitado director... Sabe que cheguei a ver um dos filmes dele, por curiosidade. Não há palavras.
Não desfazendo no Depp, o Lugosi de Landau é de recordar para sempre. Tenho-o para aí, gravado.
Abraço

Mialgia de Esforço disse...

Há uns anos, não sei precisar quantos, a RTP2 passou a "filmografia" integral do dito. Vi-os todos. Chamar àquilo mau é um eufemismo.

Já devo ter visto a fita do Burton umas 5 vezes e comove-me sempre como se nunca a tivesse visto. Da gargalhada ao engolir em seco ao quase lacrimejar.

Abraço.

ana v. disse...

Meninos Paulo e Mialgia, querem parar de fazer caixinha e dizer de que filmeestão a falar? Acho que não vi esse, e também quero comover-me!

ana v. disse...

Patti, os teus comentários "à Lynch" estão de chorar a rir!

Mialgia de Esforço disse...

Menina Ana,

Nem caixinha nem caixote. Falamos de "Ed Wood" do Tim Burton, para mim o melhor dele. Com Johnny Depp e Martin Landau, que ganhou um Oscar de Melhor Actor Secundário (com toda a justiça).

Ed Wood é considerado o pior realizador de sempre da história do cinema. Está disponível em DVD e julgo que por um preço simpático. A minha cópia comprei-a na Amazom por uma pechincha. É um filme que não me canso de ver.

Beijo.

Mialgia de Esforço disse...

Correcção: Amazon

As pressas dão nisto :-)))

ana v. disse...

Muito obrigada, menino Mialgia. :-) Corro a procurar a preciosidade, que realmente ainda não vi.